browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Fotossíntese 102 – Ar: Projetando um sistema de circulação.

design 3
Posted by on January 17, 2012

Uma das mais importantes tarefas do cultivador é promover a renovação do ar em seu growroom. E para realizar essa tarefa podemos utilizar exaustores fornecendo uma troca de ar adequada entre o ambiente de cultivo, então rico em Oxigênio, umidade e calor. Por ar fresco, rico em Dióxido de Carbono (Co2), e em geral com uma menor umidade e melhor temperatura. Mantendo assim uma atmosfera mais propicia para uma boa transpiração da planta, imitando as condições agradáveis nas quais elas idealmente se encontraria presentes naturalmente em um bom meio-ambiente.

Esta primeira etapa consiste em analisar de forma superficial o espaço disponível, e tomar medidas e para que seja possível elaborar o melhor design e a escolha certa dos equipamentos, que irão corresponder as necessidades reais do growroom.

 


O primeiro passo é descobrir qual o tamanho do seu growroom. E isso é bem simples…

 

1) Calcule o VOLUME DO SEU GROW!

Digamos que você tem uma área disponível para cultivo de 1.5m x 3m x 1.5m (Largura x Comprimento x Altura). O que é igual a 6.75 metros cúbicos de volume total na sua área de cultivo.

Neste caso, idealmente você necessita de um exaustor capaz de mover os 6.75 metros cúbicos de ar a cada 1-2 minutos.

2) Conheça seu equipamento.

Após descobrimos o volume do grow, vamos nos concentrar em descobrir o melhor equipamento para as nossas necessidades. Existe no mercado vários modelos de exaustores. E os principais são:

  • INLINE FANS - Os mais eficientes são os que se encontram no que é considerado a categoria chamada INLINE (em linha). Na qual os exaustores e refletores funcionam ligados em série, e são conectados por meio de dutos. Estes tem um formato mais aerodinâmico, como o de turbina e podem mover quantidades imensas de ar.

Esse modelo em especial consegue mover enormes quantidades de ar em muito pouco tempo. O que o torna ideal para cultivadores situados em climas tropicais, ou com muito equipamento gerando calor. Situações onde a temperatura e a umidade podem se elevar rapidamente com as luzes acessas.

  • BOOSTER FANS - Para suplementar, ou dependendo do projeto até mesmo suprir todas as necessidades do grower. Estas versões menos potentes de exaustores inline são muito boas para se adaptar ao grow.

Esses exaustores são conhecidos por aqui como Booster fans, Boosters que em inglês faz menção a ‘dar um empurrão’ pois esta em conjunto com uma Fan mais potente pode cuidar de todas as necessidades do grower para extração e intake de ar.

  • SQUIRREL CAGE FANS - Eu não tenho a mínima idéia de como seja uma toca de esquilo, como o nome sugere em inglês. Porém esse design é capaz de mover grandes quantidades de ar de forma muito eficiente o que o coloca entre os top 3 modelos de exaustores utilizados.

Uma boa idéia ao utilizar este modelo, é adicionar alguma espécie borracha ou algum material com as mesmas propriedades de absorção de choque, entre a fan e a parede onde ela irá ser fixada. A ideia do material é servir a função de absorver e diminuir as vibrações (única desvantagem deste modelo) geradas durante o funcionamento da peça contra a parede ou superfície de apoio evitando que este seja tanto quanto um incomodo quanto uma brecha a segurança e a privacidade do cultivador.

  • PC FAN - As famosas “Fans de computador”. Este modelo de exaustor é o mais econômico e compacto, se tornando ideal para ‘stealth grows’ como pequenos gabinetes e é claro PC GROW’s. Situações onde o espaço é geralmente muito limitado e o grower não dispõe da privacidade necessária para deixar-se ecoar no ambiente o barulho tamanho que um fluxo de ar tão forte gerado pelos exaustores mostrados acima produzem.

 

Quando comparado com os modelos inline ou squirrel cage, esse modelo logicamente deixa muito a desejar em eficiência. Porém ganha de todos em praticidade e preço.

 

  • O uso de dutos isolados é sempre uma boa idéia.

Outra forma de reduzir o aquecimento gerado pelas lampâdas e o barulho da circulação de ar criado pela movimentação do ar é utilizar dutos revestidos com material provido de isolamento térmico. Eles são um pouco caros, mas são um investimento único e além de isolar o ar quente emanado pelas lampâdas, este reverbera ao ambiente menos ruídos criados pelo deslocamento de ar pelas curvas do tubo.

 

  •  E pela segurança, sempre que possível use um filtro de carvão ativado!

 

A utilização dos filtros de carbono é fundamental para manter a segurança do seu growroom. Durante o período de floração as plantas tendem a exalar um odor muito forte dos seus frutos, o que pode tornar o growroom suspeito a curiosidade alheia. E neste caso, empregamos o uso de filtros de carvão ativado. Os quais tem uma enorme capacidade de purificação de odores.

Meio kilo de carvão ativado tem a superficie de 40 hectares. Isso faz com que um filtro pequeno seja suficiente para purificar grandes quantidades de ar. Contudo, vale lembrar que os filtros perdem parte deste potencial quando o ambiente está carregado com muita umidade.

 

Para o melhor aproveitamento do seu exaustor, o filtro sempre deve ser posicionado o mais próximo possível do exaustor.

 

 


 

3) Analisando os possíveis designs para o seu espaço.

Muitas vezes ao tentar economizar alguns dolares na hora de montar um growroom, tentamos utilizar apenas um exaustor, encarregado de realizar toda a troca de gases. Ao seguir este plano, estaríamos puxando o ar de dentro do grow, por um filtro de carbono e pelo refletor ao mesmo tempo. Para isso, devemos considerar que tal design não irá lhe custar muitol no fluxo total de ar. O que na maioria das vezes irá dizer que será menos vantajoso em custo-beneficio, do que adicionar uma outra peça de exaustão, essa encarregada apenas de cuidar da exaustão do ar contaminado com odores. Deixando o exaustor principal funcionando apenas em conjunto com as lampâdas, no período diurno da planta, e assim removendo apenas o excesso de calor que é gerado pela lampada durante suas horas de funcionamento.

 

  • Quanto menos curvas, melhor!

Um  fator muito importante na hora de projetar e construir um growroom de qualquer tamanho que for. É que cada grau em curvas na tubulação do seu sistema irá interromper e diminuir uma certa fração do seu fluxo total de ar. E caso o sistema não seja bem projetado, irá certamente custar uma boa parcela do seu potencial nominal (quantidade de ar movido pelo seu exaustor, geralmente indicada pelo fabricante na caixa. E/ou forçar os exaustores a trabalhar em condições mais rígidas do que as que eles deveriam estar trabalhando. O que também vai diminuir o tempo de vida do equipamento.

Por isso devemos sempre procurar utilizar um design que se constitua do mínimo de curvas possíveis no seus dutos de exaustão.

Quanto menos curvas, melhor!

 

Existem muitos erros nos designs baseados em uma unica fonte de extração. Confira:

Exemplo 1:

  • O fltro de carvão ativado deve ser acoplado DIRETAMENTE na fan. O que proporciona um aumento da pressão na area onde ocorre o maior atrito.
  • Existem muitas curvas nos dutos, em casos como este é melhor utilizar os encaixes de intake e outtake originais na lateral da tenda. Evitando assim os 360graus de curvas gerados pelo posicionamento do duto.

Exemplo 2:

  • O filtro de carvão está posicionado na parte inferior do grow, novamente não acoplado diretamente a fan e agora na zona onde mais se acumula umidade, perto do chão. Oque faz com que o mesmo trabalhe de forma menos eficaz, ou até mesmo não funcione.
  • Localizado na parte baixa do grow, o mesmo está removendo o ar mais frio, concentrado na parte inferior do growroom, que ar quente que vai estar concentrado na parte superior do grow.
  • Ao contrário de utilizar-se dos encaixes de exaustão, próprios para o refletor, na lateral da tenda. Este grower preferiu criar 180 graus de curva no seu ducting, e utilizar os furos da parte de trás da tenda.

 

Quando subtraímos o potencial que se perde ao utilizarmos um design pobre em aerodinâmica, chegamos a conclusão de que muitas vezes vale a pena o investimento de adicionar um segundo exaustor. Este outro com a função única de extrair do ambiente de cultivo o ar que é transpirado pelas plantas durante as 24 horas do dia. Ao mesmo tempo que filtra-o por um filtro de carvão ativado. O uso do mesmo pode ser em conjunto com um exaustor de menor potência, mas que deve estar conectado diretamente ao refletor e recebendo ar diretamente de FORA do grow. E este trabalhando somente no fotoperíodo diurno das plantas, removendo o calor massivo gerado pela(s) lâmpada(s) quando em funcionamento.

Pelo fato do ar estar passando diretamente pelos dutos e refletores sem ser contaminado com o ar do growroom, o mesmo pode ser exaurido sem a necessidade de um segundo filtro de carvão.

  • Pressão negativa.

Outro fator que muito importa para o bom aproveitamento do seu equipamento é o posicionamento das fans (exaustores) de forma que as fans estejam a trabalhar criando uma pressão negativa dentro do grow, promovendo um melhor fluxo de ar. A ideia é sugar naturalmente ar fresco, de fora do grow. Enquanto a exaustão trabalha em expelir o ar estagnado e rico em oxigênio de dentro do grow.

Uma das melhores estrategias de design é utilizar-se da pressão negativa e criar um design que se beneficie das entradas passivas de ar, se concentrar a melhor forma de remover o excesso de calor produzido pela lampâda, que junto com o reator é a maior fonte de calor de um growroom.


Na foto acima podemos notar:

1) O duto de exaustão com filtro de ar, no lado superior direito, em amarelo.

2) O fluxo de ar criado pela utilização de um duto e uma fan separada para exaustão pelos refletores, em azul.

3) E as entradas passivas de ar, pelos espaços nas paredes da tenda, indicados em vermelho.