browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Fotossíntese 102 – Ar: A Temperatura ambiente

Posted by on February 13, 2012

Caminhando um pouco mais pelo tema Ar, tomaremos conhecimento de que não apenas temos a necessidade de manter um controle sobre o nível de Dióxido de Carbono (Co2) optimo para a planta, mas também a de controlar a temperatura do ambiente de cultivo. Simulando assim as diferentes condições durante as diversas fases e os períodos da planta. A temperatura é um dos mais importantes fatores ambientais e irá participar ativamente na taxa de transpiração, na sintetização de carbono, assim como na produção hormonal. Evitando assim o stress (choque) de temperatura, que quase sempre resulta em pouco ou mal desenvolvimento das plantas. Além de controlar ou suprimir o desenvolvimento de doenças e outros problemas que rapidamente podem causar a perda de toda uma colheita.

Quando lidamos com a Cannabis podemos rapidamente notar uma característica que é muito importante para sua eficiente propagação em nível global. A tolerância a temperaturas extremas! Mesmo sofrendo stress e este afetando seu metabolismo retardando  quando não limitando o seu desenvolvimento a Cannabis prova ter uma tolerância tamanha, a ponto de mesmo quando ainda nova tolerar uma leve geada, ou mesmo quando já mais estabelecida, suportar temperaturas mais quentes, de até cerca de 120F – Algo em torno de 49C. Contanto é claro que lhe seja provida água, e ventilação (enriquecimento atmosférico, c02).

 

  • Em busca da temperatura ideal.

A temperatura ideal pode variar em torno de 70 a 85F (21 – 30C) de acordo com o período, noturno ou diurno.  Deixando assim um grande vão em aberto para o cultivador explorar as características de suas diferentes strains.

Noites mais frias, em torno dos 65F (18C) são consideradas normais, contudo temperaturas noturnas muito baixas, chegando em torno dos 50F (10C) irão diminuir a produção hormonal das plantas e conseqüentemente atrasar o ritmo de desenvolvimento da mesma. Isso resultará em um crescimento mais lento durante o período vegetativo ou um atraso na maturação dos frutos, caso a mesma ocorra durante o período de floração.

 

  • A relação da temperatura com o alongamento internódular.

Uma reação natural das plantas que é bem interessante, relacionada a temperatura do ambiente de cultivo e a formação da estrutura da planta em si; é que uma planta sendo cultivada em um ambiente quente e com uma quantidade de luz moderada, terá os galhos com um comprimento maior entre os seus nódulos. Já com uma forte intensidade de luz e em um ambiente de temperaturas baixas, a planta ira por sua vez produzir uma estrutura com galhos mais curtos e nódulos bem mais próximos.

Tendo em vista este comportamento, o Grower pode trabalhar suas condições ambientais seguindo a seguinte equação: (Temperatura x Incidência direta de luz) x Características genéticas da sua planta, para que a mesma tenha o desenvolvimento estrutural de acordo com a sua vontade e necessidade.

Por exemplo:

  • Expondo plantas indicas a menos incidência direta de luz enquanto em uma temperatura mais elevada. Fazendo assim com que as mesmas produzam um espaçamento maior entre os seus nódulos.
  • Ou regulando o espaço internódular de plantas mais Sativas, as condicionando em um ambiente com abundância de luz e temperaturas mais frias. Fazendo com que elas desenvolvam menos espaçamento internódular, assim não esticando tanto.

 

  • Termômetros.

Ter uma forma eficiente e correta de medir a temperatura é essencial para que você possa manter controle sobre o desenvolvimento do seu cultivo. Um pequeno histórico com as temperaturas mínimas e máximas de cada noite e dia é a melhor forma de manter-se informado das condições térmicas exatas nas quais suas plantas estão vivendo. E assim poder proporcionar uma analise realista e mais correta sobre as condições de crescimento das mesmas.

Um simples termômetro com medida em graus Centígrados e Fahrenheit já é bastante útil, e faz o trabalho. Porém existem também outras alternativas mais sofisticadas como os termômetros digitais. Estes além de mostrar a temperatura atual, prove-em o Grower com um histórico das temperaturas máximas e mínimas, geralmente por um período de 7 dias passados, e ainda com distinção de dias e noites. Fazendo a vida do cultivador um pouco mais prática.

 

 

 

  • Termostatos.

Tendo em vista o diferencial de calor no lugar onde você irá construir seu growroom, somando ao calor produzido pelo sistema de iluminação. A tarefa de mantermos a temperatura do growroom dentro dos níveis toleráveis deixa de ser uma tarefa difícil, para muitas vezes ser praticamente impossível de ser executada sem a própria automatização do sistema de controle de temperatura.

Nós devemos nos focar em manter a temperatura não apenas dentro dos níveis toleráveis pela planta, mas sim dentro dos níveis desejados pela planta. por cada uma das fases e de acordo com o gosto de cada strain. Para isso, além de monitorar, visamos sempre que possível automatizar este processo.  E em ordem de nos auxiliar nesta tarefa, diversos fabricantes disponibilizam no mercado uma vasta quantidade de ferramentas, algumas mais simples e outras mais elaboradas. Algumas contando apenas de um simples termostato, outras são tão elaboradas a ponto de se tornar um complicado dispositivo de controle ambiental, integrando vários fatores ligados ao bem estar da planta em seu ambiente de cultivo. Tais ferramentas ao medir a temperatura simultaneamente ativam ou desativam dispositivos quando dentro de determinadas faixas (limites) de temperatura. — entre outras funções.

Dentre os modelos mais simples temos como exemplo esta peça da C.A.P, modelo TMP-DNe. Que serve para monitoração de temperaturas máximas e mínimas, contando com uma fotocélula que nos implementa a opção de trabalhar com a distinção de período noturno e diurno.

C.A.P TMP-DNe

Com o auxilio dessa simples ferramenta, você por exemplo pode maquinar uma estratégia básica de controle e emergência relacionada a temperatura. Por exemplo:

  • Ao ligar está peça a um exaustor extra, ou mesmo um ar condicionado, você tem um sistema de backup caso a temperatura ultrapasse X graus.
  • Ou funcionando no sentido inverso, ligando-a a um aquecedor, ou um sistema de ar condicionado, caso a temperatura chegue abaixo de X graus.

Mantendo assim a temperatura do seu growroom sempre dentro da faixa escolhida e configurada por você.

One Response to Fotossíntese 102 – Ar: A Temperatura ambiente

  1. pohmking

    demais!